What is to be peace?
E nossa história não estará pelo avesso assim, sem final feliz, teremos coisas bonitas pra contar. E até lá vamos viver, temos muito ainda por fazer não olhe pra trás. Apenas começamos. O mundo começa agora.
theme by: invernizando
“Já me acostumei com a sua despedida mesmo antes de você ir, assim como me conformei com pessoas que eu nunca achei que iriam me deixar e que acabaram me deixando. Aceitei seus acertos, e seus erros. Confesso que sou um pouco difícil de compreender, e que sou praticamente um jogo que você se dedica dias e dias para chegar uma hora qualquer e do nada acaba dando “game over”. Sou assim mesmo, difícil de compreender, confuso ao extremo, com um pouco de fragílidade, mas me conformo que você vá. Ok, você quer ir? Tudo bem, pode ir mesmo. Me acostumo firme e forte ficar sem você. Outras pessoas já foram, você é só mais um das listas de pessoas-que-marcaram-minha-vida-e-foram-sem-se-despedir, mas não esquece que eu me dediquei ao máximo em “nós”, tentei lhe entender e esperava que entendesse que, eu nem mesmo me compreendo, e para mim é difícil imaginar que uma hora tem que haver o fim, que uma hora alguma coisa que marcou minha vida tem que terminar. Obrigado por de alguma forma ter entrado na minha vida, lhe agradeço, mas agora não é uma despedida qualquer, e sim a conclusão de tudo. Agora, é um Adeus, e minha Cara, você é só mais uma das pessoas que por fim eu vou superar. É o nosso primeiro e último adeus, obrigado de verdade, agradeço do fundo da minha imensa gratidão por tudo que você já me fez.”
Mark Hr.
(via autorias)
“Eu estou apaixonado por você, e eu sei que o amor é apenas um grito no vazio, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados e que chegará um dia em que todo o nosso trabalho tenha sido devolvido ao pó , e eu sei que o sol vai engolir a única terra que sempre vai ter, e eu sou apaixonado por você.”
Augustus Waters (via apagou)
“Tenho saudades. Quero dizer, desculpe, sinto sua falta. Dos seus cheiros, dos seus carinhos, do seu queixo, das suas sardas, das suas neuras achando que tem uma perna maior que a outra, dos seus banhos quentes tomados, dos seus pés pra dentro ao dormir de bruços, das coisas que a gente foi capaz de fazer sem roupas.”
Gabito Nunes    (via sintoso)
“Quero um amor sossegado. Alguém para me abraçar, assistir um filme, jogar baralho, viajar, conversar, contar o dia, fazer cafuné, dar apoio, confortar. Quero troca, carinho, respeito, cumplicidade. O amor é uma amizade sem inveja. É um sonho com realidade. É uma realidade sem photoshop. O amor é um abraço apertado, um olhar que se encontra, um silêncio que não incomoda, um barulho de onda, um gosto bom. Não tem serenata, mas tem bilhetinho dentro da bolsa. E rotina, cansaço, discussão, divergências de opinião. Mas, acima de tudo, tem paciência. E vontade.”
Clarissa Corrêa.   (via esplandecer)
“Entre um rosto e um retrato, o real e o abstrato. Entre a loucura e a lucidez, entre o uniforme e a nudez. Entre o fim do mundo e o fim do mês, entre a verdade e o rock inglês, entre os outros e vocês. Eu me sinto um estrangeiro, passageiro de algum trem, que não passa por aqui e que não passa de ilusão.”
Engenheiros do Hawaii.  (via manuscritto)
“(…) Eu precisava de alguém para estar ao meu lado quando ninguém pudesse estar. Alguém que olhasse e realmente me visse. Alguém sem cantos escuros, lugares distantes, alma vazia. Eu precisava de alguém sem pressa pra levantar, alguém que gostasse de sorrir, que brigasse e perdoasse sem precisar fingir. Alguém para andar na chuva, correr descalço… Alguém para dividir as moedas, usar o mesmo casaco. Alguém para esperar, para sentar do outro lado da mesa, para bagunçar a gaveta. Eu precisava de alguém que precisasse de mim, que criasse metáforas com os meus olhos, que dissesse que adora me ver sorrir. Alguém que abaixasse os olhos com qualquer elogio, que me emudecesse com qualquer prece. Eu precisava de alguém que aceitasse minha mão, meu abraço, alguém que precisasse chegar logo onde eu estou, que se incomodasse com a minha demora. Eu precisava de alguém que mesmo sabendo quem eu sou, aprendesse a buscar todo dia um jeito novo de se doar. Alguém que transforma tristeza em beleza, que decora a vida com momentos inesquecíveis. Eu precisava de alguém que vale a pena precisar.”
Cinzentos, trecho.     (via defensor)
“É tão lindo quando você conhece uma pessoa e do nada começa uma grande amizade, e isso vai crescendo e depois de um tempo, você se apaixona. E ah, é muito mais lindo ainda quando o amor é correspondido e você apenas conseguir pensar: te conhecer foi a melhor coisa que me aconteceu, eu tenho sorte de ter você!”
7 dias com a Mel.  (via repouse)
“Muito prazer, meu nome é otário. Vindo de outros tempos mas sempre no horário, peixe fora d’água, borboletas no aquário. Muito prazer, meu nome é otário, na ponta dos cascos e fora do páreo, puro sangue puxando carroça. Um prazer cada vez mais raro, aerodinâmica num tanque de guerra, vaidades que a terra um dia há de comer. Ás de espadas fora do baralho, grandes negócios, pequeno empresário. Muito prazer, me chamam de otário… Por amor às causas perdidas. Tudo bem… até pode ser que os dragões sejam moinhos de vento. Tudo bem… seja o que for, seja por amor às causas perdidas. Muito prazer, ao seu dispor, se for por amor às causas perdidas.”
Engenheiros do Hawaii, Dom Quixote. (via recontador)
“Namore um cara que se orgulha da biblioteca que tem, ao invés do carro, das roupas ou do penteado. Ele também tem essas coisas, mas sabe que não é isso que vai torná-lo interessante aos seus olhos. Namore um cara que tenha uma pilha de três ou quatro livros na cabeceira e que lembre do nome da professora que o ensinou as primeiras letras. Encontre um cara que lê. Não é difícil descobrir: ele é aquele que tem a fala mansa e os olhos inquietos. Ele é aquele que pede, toda vez que vocês saem para passear, para entrar rapidinho na livraria, só para olhar um pouco. Sabe aquele que às vezes fica calado porque sabe que as palavras são importantes demais para serem desperdiçadas? Esse é o que lê. Ele é o cara que não tem medo de se sentar sozinho num café, num bar, num restaurante. Mas, se você olhar bem, ele não está sozinho: tem sempre um livro por perto, nem que seja só no pensamento. O rosto pode ser sério, mas ele não morde, não. Sente-se na mesa ao lado, estique o olho para enxergar a capa, sorria de leve. É bem fácil saber sobre o quê conversar. Diga algo sobre o Nobel do Vargas Llosa. Fale sobre as novas traduções que andam saindo por aí. Cuidado: certos best-sellers são assunto proibido. Peça uma dica. Pergunte o que ele está lendo –e tenha paciência para escutar, a resposta nunca é assim tão fácil. Namore um cara que lê, ele vai entender um pouco melhor seu universo, porque já leu Simone, Clarice e –talvez não admita– sabe de memória uns trechos de Jane Austen. Seja você mesma, você mesmíssima, porque ele sabe que são as complicações, os poréns que fazem uma grande heroína. Um cara que lê enxerga em você todas as personagens de todos os romances. Um cara que lê não tem pressa, sabe que as pessoas aprendem com os anos, que qualquer um dos grandes tem parágrafos ruins, que o Saramago começou já velho, que o Calvino melhorou a cada romance, que o Borges pode soar sem sentido e que os russos precisam de paciência. Um namorado que lê gosta de muita coisa, mas, na dúvida, é fácil presenteá-lo: livro no aniversário, livro no Natal, livro na Páscoa. E livro no Dia das Crianças, por que não? Um cara que lê nunca abandonará uma pontinha de vontade de ser Mogli, o menino lobo. E você também ganhará um ou outro livro de presente. No seu aniversário ou no Dia dos Namorados ou numa terça-feira qualquer. E já fique sabendo que o mais importante não é bem o livro, mas o que ele quis dizer quando escolheu justo esse. Um cara que lê não dá um livro por acaso. E escreve dedicatórias, sempre. Entenda que ele precisa de um tempo sozinho, mas não é porque quer fugir de você. Invariavelmente, ele vai voltar –com o coração aquecido– para o seu lado. Demonstre seu amor em palavras, palavras escritas, falas pausadas, discursos inflamados. Ou em silêncios cheios de significados; nem todo silêncio é vazio. Ele vai se dedicar a transformar sua vida numa história. Deixará post-its com trechos de Tagore no espelho, mandará parágrafos de Saint-Exupéry por SMS. Você poderá, se chegar de mansinho, ouví-lo lendo Neruda baixinho no quarto ao lado. Quem sabe ele recite alguma coisa, meio envergonhado, nos dias especiais. Um cara que lê vai contar aos seus filhos a História Sem Fim e esconder a mão na manga do pijama para imitar o Capitão Gancho. Namore um cara que lê porque você merece. Merece um cara que coloque na sua vida aquela beleza singela dos grandes poemas. Se quiser uma companhia superficial, uma coisinha só para quebrar o galho por enquanto, então talvez ele não seja o melhor. Mas se quiser aquela parte do “e eles viveram felizes para sempre”, namore um cara que lê. Ou, melhor ainda, namore um cara que escreve.”
Namore Um Cara Que Lê.  (via effingos)

Numbing the pain for a while will make it worse when you finally feel it.